ArtigosHIV/Aids

Um dia de conscientização sobre a prevenção e o tratamento do HIV/Aids

Hoje o mundo todo recebe ações de conscientização sobre o HIV/AIDS, e a gente não podia ficar fora dessa. Se liga nesse post pra entender mais sobre a história dessa data, prevenção e tratamento 

Nhaí, querides!

Hoje é 1 de dezembro, “Dia Mundial de Luta contra a AIDS”. Mas, você sabe por que esse dia é marcado por campanhas e ações de conscientização sobre prevenção, tratamento e pesquisas científicas sobre o HIV/AIDS?

Um pouco de história

Em 1987, 200 mil pessoas se reuniram do lado de fora do prédio onde acontecia a Conferência Internacional de Aids em Washington (EUA). Eram ativistas, pessoas vivendo com o vírus que queriam ser ouvidas pela comunidade científica pois, naquele naquele momento em que não havia tratamento, o silêncio era uma forma de morte.

Cinco anos após a descoberta do vírus causador da AIDS, o HIV, 65,7 mil pessoas já tinham sido diagnosticadas com o vírus, e 38 mil já tinham falecido. 

Diante da urgência dos debates e da união de esforços em busca de tratamentos, qualidade de vida e as possibilidades de cura, no dia 27 de outubro de 1988, a Assembleia Geral da ONU e a Organização Mundial de Saúde instituíram o dia 1º de dezembro como o Dia Mundial de Luta contra a Aids.

Depois de mais de 30 anos, os avanços nas ciências médicas permitiram alternativas de tratamento que garantem qualidade de vida e saúde para pessoas que vivem com HIV.

Com o tratamento regular, o vírus HIV – que não desaparece totalmente do corpo – torna-se indetectável e, por consequência, intransmissível. 

Daí a importância dessas campanhas mundiais de conscientização, prevenção e tratamento das pessoas que vivem com HIV.

É equivocado pensar que a epidemia de HIV tem mais incidência em alguns grupos chave da população, como pessoas trans, os gays e homens que fazem sexo com homens, trabalhadores do sexo, população privada de liberdade e usuários de álcool e outras substâncias. Homens heterossexuais, por exemplo, representam cerca de 49% dos casos; é sempre importante ressaltar que não existem grupos de risco, mas sim, comportamentos de risco – e a melhor forma de se proteger é com informação e prevenção.

Mandala da prevenção combinada

A mandala da prevenção combinada reúne diversas estratégias de prevenção que funcionam como ferramentas complementares entre si para o enfrentamento da epidemia de HIV. São práticas que ampliam a gama de opções que os indivíduos terão para se prevenir contra o vírus e oferecendo mais alternativas cientificamente eficazes.

O SUS coloca a disposição da população as estratégias e tecnologias mais avançadas para a prevenção a infecção pelo vírus, como a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) e a Profilaxia Pós Exposição (PEP); além de ampliar o acesso ao diagnóstico precoce e ações específicas para populações-chaves para resposta ao HIV.

A conscientização passa por conhecer o vírus e conhecer seu próprio corpo, fazer testagem periódica e, em caso positivo, buscar tratamento para garantir uma vida tranquila vivendo com o HIV.

Na cidade de São Paulo, a Secretaria Municipal da Saúde oferece, nas unidades básicas de saúde e em postos móveis, testagem gratuita para o HIV e outras ISTs, distribui camisinhas gratuitamente e oferece o tratamento antirretroviral suportado pela rede SUS.

A prevenção combinada abrange o uso da camisinha externa ou interna, gel lubrificante, diagnóstico e tratamento das infecções sexualmente transmissíveis (IST), testagem para HIV, sífilis e hepatites virais B e C, Profilaxias Pré e Pós-Exposição ao HIV (PrEP e PEP, respectivamente), imunização para HPV e hepatite B, prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatite B, tratamento antirretroviral (TARV) para todas as PVHA e redução de danos.

Informação é proteção! Compartilha esse post com as manas, com as monas, com as minas, com os boy, com as gays… com todo mundo!

Comente no post aqui!