IST/AidsSaúde

#PraBrilhar na prevenção: hepatites virais

Nhaí! Vamos ficar por dentro de tudo sobre as hepatites virais e brilhar na prevenção?

A hepatite é uma inflamação do fígado, que pode ser causada pelo uso de alguns medicamentos, consumo de álcool ou por doenças de etiologia autoimune, metabólica e genética. Quando causada por vírus, recebe o nome de hepatite viral.

A campanha Julho Amarelo é o período do ano em que as ações contra as hepatites virais ganham maior visibilidade. Criado em 2010 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais é 28 de julho. Contudo, todo o mês visa conscientizar a população sobre as medidas de prevenção, diagnóstico e tratamento destas doenças.

No Brasil, estima-se que 2,3 milhões de pessoas tenham algum tipo de hepatite. Cerca de 1,5 milhão de brasileiros são portadores do tipo C. Só no município de São Paulo, a estimativa é de que haja 83.087 casos de hepatite C.
Nas últimas duas décadas (de 2000 até 2020), foram 32.928 casos da doença descobertos, confirmados e notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN).

O alerta de prevenção e diagnóstico vale principalmente para as hepatites B e C, que são doenças silenciosas; ou seja, não apresentam sinais na maioria dos casos. Também podem não curar após a fase aguda, evoluindo para doença crônica.

Na hepatite B, 90% dos infectados se curam de forma espontânea, mas se a infecção ocorre nas crianças menores de um ano e não vacinadas ao nascer, o risco de evoluir para forma crônica chega a até 90%. Na infecção pelo vírus da hepatite C, 70 a 80% das pessoas que contraíram o vírus evoluem para doença crônica, que pode progredir para a cirrose hepática.

Formas de transmissão

A forma de transmissão da Hepatite A, tradicionalmente, se dá por meio de água e alimentos contaminados com fezes ou no contato íntimo com pessoas infectadas. O doente já transmite antes de manifestar os sintomas (até 2 semanas antes).

Sintomas

As hepatites virais são inflamações causadas por vírus classificados pelas letras A, B, C, D e E. Nem sempre a Hepatite apresenta sintomas, mas quando aparecem, estes se manifestam na forma de:

  • cansaço
  • febre
  • mal-estar
  • tontura
  • enjoo
  • vômitos
  • dor abdominal
  • pele e olhos amarelados
  • urina escura e fezes claras.

Entretanto, em 2017, foram observados no Brasil e no mundo, surtos entre homens que fazem sexo com homens (sexo oral/anal). É preciso esclarecer que não se trata de Infecção Sexualmente Transmissível (IST) como a Hepatites B, Sífilis e HIV, pois a contaminação não se dá por secreção vaginal ou sémen e, sim, por contaminação oral por fezes no ato sexual.

Já as hepatites B e C são transmitidas pelo sangue, podendo ser por meio de transfusão de sangue ou hemoderivados, hemodiálise, procedimentos cirúrgicos e odontológicos em que não se aplicam as normas adequadas de esterilização, compartilhamento de material contaminado no uso de drogas, aparelhos de barbear, aplicação de tatuagens e piercings; da mãe portadora do vírus B ou C para o filho, principalmente durante o parto; e através do contato sexual.

As vacinas contra as hepatites A e B estão disponíveis em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da cidade de São Paulo. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) destaca que todos os recém-nascidos devem receber a primeira dose da vacina contra hepatite B nas primeiras 24h de vida. Ao todo, são três doses para prevenir o tipo B.

Clique aqui e saiba mais sobre a vacina para Hepatite A

Não existe uma vacina para a hepatite C, mas a doença pode ser evitada ao não se compartilhar seringa, agulha e objetos cortantes (lâminas de barbear, alicates para cutícula etc.) com outras pessoas e ao usar preservativo em todas as relações sexuais.

Prevenção

Se liga nas dicas pra brilhar na prevenção das Hepatites A, B, D e E:

  • lavar as mãos com frequência, especialmente após o uso do sanitário, trocar fraldas e antes do preparo de alimentos;
  • lavar alimentos que são consumidos crus, deixando-os de molho por 30 minutos em água filtrada ou clorada;
  • cozinhar bem os alimentos antes de consumi-los;
  • lavar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras;
  • não tomar banho ou brincar perto de valões, riachos, chafarizes, enchentes ou próximo de onde haja esgoto;
  • evitar a construção de fossas próximas a poços e nascentes de rios;
  • usar preservativos e higienizar as mãos e o corpo antes e após as relações sexuais

Diagnóstico

Os portadores de Hepatites B e C podem ser diagnosticados com a realização de Teste Rápido nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), onde também pode ser feito o tratamento da doença. Vale pontuar que a hepatite C tem tratamento seguro e leva a cura em mais de 95% das pessoas tratadas adequadamente.

Ferramenta Busca Saúde ajuda a encontrar a UBS mais próxima

O Programa Municipal de Hepatites Virais da SMS de São Paulo alerta para a necessidade de realização de teste rápido para descoberta dos casos de hepatite C em todas as pessoas acima de 40 anos, com histórico de transfusão sanguínea antes de 1993, que fizeram ou fazem uso de drogas e que tiveram ou têm relações sexuais desprotegidas.

Saiba onde você pode fazer o teste rápido

hepatites

Texto base: Coordenadoria de IST/Aids da Cidade de São Paulo

Comente no post aqui!