Notícias

Pra Brilhar na Informação: Notícias que importam, boletim #07

Nhaí, gente que brilha!

Chegamos à última edição do nosso boletim em 2021! 

Vem ficar por dentro de notícias que importam sobre HIV / Aids, ISTs e outros temas relacionados às nossas juventudes

Leia e compartilha com a sua rede!

1. Corresponsabilidade pra transar

A campanha #PREVINIDAH: corresponsabilidade pra transar, idealizada pela Viração Educomunicação no âmbito do Pra Brilhar e produzida por jovens que participaram do ciclo formativo sobre direitos humanos, saúde sexual e prevenção a ISTs e ao HIV foi lançada virtualmente no dia 01 de dezembro, Dia Mundial de enfrentamento à AIDS.

O grupo de jovens – CAIU, Franklin Ferreira, Guilhermina de Paula e Jennifer Rabelo de Almeida produziram textos, vídeos e peças gráficas para redes sociais abordando temas relacionados ao HIA/AIDS. São informações confiáveis sobre prevenção, tratamento, articulações sociais e estigmas que afetam as pessoas vivendo com HIV e criam barreiras para a disseminação de conhecimento sobre a importância da testagem regular e das possibilidades plenas de existência apesar do vírus.

O primeiro texto, que fala da importância do dia Mundial da AIDS, está aqui no site do #prabrilhar e nas redes sociais da Viração. Ao longo do mês de dezembro, outros materiais serão divulgados nas redes sociais.

2. 40 anos de uma pandemia que não acabou

A reportagem “40 anos de uma pandemia que não acabou”, de Cátia Guimarães, foi publicada na mais recente edição da Revista Poli, da EPSJV/Fiocruz. O texto, que conta com depoimentos de pessoas vivendo com HIV, representantes de organizações da sociedade civil engajadas no enfrentamento da AIDS e representantes de órgãos de saúde, traça um panorama dos 40 anos da pandemia no Brasil, aponta avanços na ciência e os desafios atuais. Depois de quatro décadas do registro da doença, contaminação pelo HIV ainda é um problema de saúde pública, mas causa menos medo nas gerações mais jovens. Leia a reportagem completa na Agência Jovem de Notícias.

3. O enfrentamento à epidemia da AIDS e a defesa da democracia

A sociedade civil atua, ao longo destes 40 anos de HIV/AIDS no Brasil, em busca de políticas públicas de enfrentamento à epidemia e aos estigmas que ainda fazem parte do cotidiano não só de quem vive com o vírus, mas de toda a sociedade.

Para marcar o dia Mundial da AIDS em 2021, a Abong  e a AHF produziram a cartilha digital “O enfrentamento à epidemia da AIDS e a defesa da democracia”. As páginas apresentam a história do movimento, as redes de acolhimento e apoio, além do chamado às associadas da Abong a defenderem a política de AIDS e a integralidade do SUS.

A publicação está disponível para download gratuito aqui.

4. Anvisa aprova novo tratamento para HIV

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou um novo medicamento para o tratamento do HIV. Trata-se da combinação de duas substâncias – a lamivudina e o dolutegravir sódico – em um único comprimido.

Para a agência, a aprovação representa um avanço no tratamento, já que reúne em uma dose diária dois antirretrovirais. “A possibilidade de doses únicas simplifica o tratamento e a adesão de pacientes”. Saiba mais na Agência Brasil.

5. HIV e Diversidade é tema de podcast

O cuidado e tratamento do HIV ainda passam por tabus na sociedade, que estimulam a falta de procura por informações e profissionais especializados.

A 30ª edição do podcast +Diversitalk propõe reflexões sobre essa intersecção, em uma entrevista com Rico Vasconcelos, um homem gay, médico infectologista, pesquisador, que trabalha desde 2007 atendendo pessoas que vivem com HIV. Na entrevista, Rico falou sobre diagnóstico, tratamento, disseminação de conhecimento sobre o vírus e sobre vivências da população LGBTI+ com o HIV. Vale a pena escutar no Spotify.

6. Ações de conscientização pelo Dia Mundial da AIDS em São Paulo

Pelo Dia Mundial da AIDS, a Coordenadoria de IST/Aids da Cidade de São Paulo promoveu diversas ações de conscientização pela testagem, tratamento e prevenção ao HIV/AIDS em diversas regiões da cidade.

A primeira ação foi a inauguração, no último dia 28/11, do CTA da Cidade, que oferta todos os serviços disponíveis em qualquer CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento). Nosso ônibus vai rodar pela cidade e, a cada semana, estará em um ponto da cidade de São Paulo, indo até onde estão as populações mais vulneráveis ao HIV e demais ISTs.

Os relógios de rua da cidade exibiram mensagens sobre a prevenção ao HIV/AIDS, e as emissoras @tvgazetaoficial, @tvglobo e @tvcultura dedicaram parte da programação para falar da campanha e também abordar temas de prevenção e assistência ao HIV/Aids, com falas de profissionais da Coordenadoria em diversos programas e reportagens.

No final do dia, representantes da coordenadoria acompanharam a cerimônia de assinatura da Declaração de Paris pelo Estado de São Paulo. O evento foi promovido pela UNAIDS no Palácio dos Bandeirantes. A assinatura desse documento firma o compromisso de acelerar a resposta ao HIV, intensificando ações para acabar com a epidemia de #AIDS como uma ameaça à saúde pública até 2030.

EXTRA! EXTRA!

Assista a íntegra dos 3 dias da Mostra Combinado Coletivo:

Depois de um ano intenso de trocas educomunicativas sobre Prevenção Combinada ao HIV e as outras ISTs entre as juventudes, chega a hora da etapa final do projeto com a Mostra Combinado Coletivo. Com o objetivo de aproximar outras juventudes do diálogo sobre os temas propostos no projeto, a I Mostra Combinado Coletivo contou com uma programação de atividades, bate papos e ações culturais que dialogaram com as questões das juventudes periféricas LGBTQIA+ da cidade de São Paulo, trazendo pautas como saúde emocional, HIV e juventudes e Arte e HIV. A programação teve com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube da Viração Educomunicação, entre os dias 29 de Novembro e 01 de Dezembro, com início às 17h.

DIA 1

– Abertura da Mostra Combinado Coletivo – Roda de conversa com jovens do projeto sobre “Prevenção Combinada” – Bate papo com especialistas do Canto Baobá sobre “Saúde Emocional” – Pocket show com Warley Noah 🟣 Participantes: 🔸 Ana Albuquerque – CRP 06/131525 Sócia-Fundadora e Psicóloga do Canto Baobá Psicologia– Espaço especializado em Saúde Mental e diversidade, com ênfase no enfrentamento às violências estruturais. Ana Albuquerque é Psicóloga, formada pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas. Especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e atualmente, em processo de Pós-Graduação em Direitos Humanos, Responsabilidade Social e Cidadania Global pela PUC-RS. Possui estudos em Psicanálise pelo Instituto Sedes Sapientiae e curso de Política Nacional de Saúde LGBT pela UFRS. Em fevereiro de 2019, fundou sua primeira clínica social, dando ênfase ao atendimento psicoterapêutico de pessoas pretas e LGBTQIA+ . 🔸 Vinícius Brasil – CRP 06/159820 Psicólogo Parceiro do Canto Baobá Psicologia – Espaço especializado em Saúde Mental e diversidade, com ênfase no enfrentamento às violências estruturais, atendendo pela abordagem da Psicanálise. Vinicius Brasil é Psicólogo, formado pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo- UNISAL U.E. de Lorena. Atualmente, cursa MBA – Gestão de carreiras e empregabilidade na Universidade Anhembi Morumbi, especialização em Psicopatologia e Psicossomática na abordagem psicanalítica pela Universidade São Camilo e Pós-Graduação em “Direitos Humanos, Gênero E Sexualidade” pela Universidade Anhembi Morumbi. Na clínica, possui experiência com pessoas vivendo com HIV e outras DSTs e ISTs, pessoas binárias e não binárias, LGBTQIS+ e outros recortes. Desenvolve trabalhos com jovens e adolescentes sobre empregabilidade, orientação profissional, carreira e preparação para aposentadoria. 🔸 Warley Noua A artista apresenta, por meio de música e poesia, um convite para que o público, ainda que sem interação física, rompa com a quarta parede e se conecte com outras realidades que não são tradicionalmente representadas numa sociedade regida por dogmas patriarcais, dominada por homens brancos, cis e heterossexuais. Interpreta seus desafios e convicções, trabalhando temas como amor, vícios, depressão e suicídio. Brinca com o olhar de si sobre o mundo e como percebe os olhares da sociedade sobre si mesma. Relacionando uma linha tênue entre vida e viver, encontra novas definições para com seu cotidiano e sua arte. Viva e consciente. Víbora.

DIA 2

– Abertura da Mostra Combinado Coletivo – Roda de conversa com Periferia em Movimento e jovens do projeto sobre “HIV e Juventudes” – Apresentação de produções educomunicativas realizadas durante o ciclo formativo – Ação performativa com Xan Marçall 🟣 Participantes: 🔸 Aline Rodrigues – Periferia em Movimento Moradora do Campo Limpo, mãe da Helena, jornalista, educomunicadora e co-fundadora da produtora de jornalismo de quebrada Periferia em Movimento. Co-idealizadora da Rede Jornalistas das Periferias e do Fórum Comunicação e Territórios, integrante da Escola Feminista Abya Yala, da Universidade Livre do Grajaú (Unigraja), da comissão organizadora do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog e do Fórum Permanente de Debate e Reflexão Sobre o Sistema Penitenciário e Carcerário. 🔸 Pedro Ariel Salvador – Periferia em Movimento Tem 21 anos, é escorpiano, um homem trans e morador do Grajaú desde que nasceu. Está desde os 15 envolvido no meio da cultura e do audiovisual, aos 18 se formou em direção de pós-produção e hoje em dia é coordenador de conteúdo da Periferia em Movimento, e também faz diversos trabalhos como fotógrafo e videomaker. 🔸 Xan Marçall Uauyara. Botosereia. Kaaboka Amazônida Para’wara. De Mairi do Pará. Professora, ARTE-EDUCADORA (Licenciada em Teatro – UFBA). Atriz. Escritora. Membro do Coletivo das Liliths e do NUCUS – Núcleo de pesquisa e extensão em Culturas, Gêneros e Sexualidades da UFBA. Artivista sobre HIV-AIDS. ENCANTARIA DO NORTE! ARARAPIRANGA!

DIA 3

– Abertura da Mostra Combinado Coletivo – Roda de conversa com Franco Fonseca e jovens do projeto sobre “Arte e HIV” – Apresentação de produções educomunicativas realizadas durante o ciclo formativo – Ação performativa com Franco Fonseca 🟣 Participantes: 🔸 Franco Fonseca Natural de Macau no RN, Franco Fonseca atua como pesquisador e ator, produtor cultural independente, é graduado em Teatro e Mestre em Artes Cênicas com pesquisa intitulada “Agora Chupa Essa Manga – cena pós-coquetel: interfaces da AIDS e artes da cena”. Investiga a noção de “pós-coquetel” no processo criativo de artistas soropositivos. Entre 2015 e 2017 trabalhou com dramaturgias da aid$ como uma resposta social à epidemia, desenvolve estudo com performance e teatro a partir da noção de sua autoria “Afeto Colateral”, pensada a partir da sua pesquisa e experiência em processos criativos com artistes soropositives.

Com informações da Agência Brasil, Coordenadoria de IST/Aids da Cidade de São Paulo, Podcast Diversitalk, Viração Educom, projeto Combinado Coletivo, Abong, AHF Brasil e Revista Poli.